Skip to content

Terra Elástica

À medida que as temperaturas crescentes derretem o gelo do Ártico a um ritmo alarmante, o aumento resultante no nível do mar deve remodelar as costas ao redor do mundo. Mas os efeitos no próprio planeta podem ser ainda mais dramáticos, de acordo com um novo estudo sobre como o derretimento do gelo remodela fisicamente a crosta terrestre.

A camada mais externa do nosso planeta é surpreendentemente elástica, de acordo com uma pesquisa publicada na revista Geophysical Research Letters no mês passado. No estudo, os cientistas de Harvard descobriram que a crosta se recupera depois que o gelo em cima dela derrete, mas nem sempre retorna a uma forma perfeitamente esférica.

O estudo mostra que essas deformações não são apenas maiores do que os cientistas pensavam, mas também que podem ter influências significativas nos ecossistemas de uma área por milhares de anos.

Ainda em recuperação por exemplo, partes da crosta ao redor do Ártico ainda estão se expandindo como um balão extremamente lento depois que o peso da era do gelo – que terminou há 11.000 anos – foi retirado dele. À medida que mais gelo derrete graças às mudanças climáticas, as expansões e os efeitos de deformação são agravados, criando uma paisagem cada vez mais complexa.

“Em escalas de tempo recentes, pensamos na Terra como uma estrutura elástica, como um elástico, enquanto em escalas de tempo de milhares de anos, a Terra age mais como um fluido muito lento.” A cientista planetária de Harvard, Sophie Coulson, disse em um comunicado à imprensa. “Os processos da era do gelo levam muito, muito tempo para acontecer e, portanto, ainda podemos ver os resultados deles hoje.”

Ser capaz de monitorar esse balonismo é valioso para os cientistas. Entender como a Terra está mudando de forma facilita o estudo e a previsão de movimentos tectônicos, terremotos e outros processos geológicos, disse Coulson no comunicado.

Mas também tem implicações para as mudanças climáticas. À medida que o gelo da Antártida derrete e a crosta se empurra para fora, disse Coulson, pode deformar e empurrar o leito rochoso para fora de posição, deslocando ainda mais o gelo e criando um ciclo vicioso que leva a um derretimento ainda maior.


Fonte: Futurism.com